Cadastro de pesquisas e soluções do MCTIC já recebeu mais de 200 inscrições

Desde janeiro, ministério recebe inscrições de tecnologias voltadas a pessoas com deficiência e tratamento de rejeitos e reuso de resíduos sólidos
por ASCOM - publicado 15/05/2020 09h47. Última modificação 15/05/2020 10h26.

CGCS/MCTIC

CGCS/MCTIC

Cadastro de pesquisas e soluções do MCTIC já recebeu mais de 200 inscrições

Os cadastros de pesquisas, desenvolvimento e exploração comercial nas áreas de Tecnologias Assistivas e Tratamento de Rejeitos e Reuso de Resíduos Sólidos, lançados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) em janeiro, já receberam mais de 200 soluções. O ministério publicou nesta quarta-feira (13), no Diário Oficial da União, duas portarias que oficializam as iniciativas. A ideia é identificar soluções disponíveis ou em desenvolvimento para aplicação em políticas públicas nesses setores.

Até julho, podem se inscrever pesquisadores, desenvolvedores e fornecedores de tecnologias. Com as informações, o ministério vai avaliar o grau de maturidade das soluções à disposição e poderá definir políticas nessas áreas e compartilhar os dados com outros ministérios, estados e municípios.  O cadastro não gera uma contraprestação financeira por parte do MCTIC e os participantes são responsáveis pela veracidade das informações.

Tecnologias Assistivas

Segundo a diretora de Tecnologias para Programas de Desenvolvimento Sustentável e Sociais, Sônia da Costa, o cadastro de Tecnologias Assistivas, que ajudam pessoas com deficiência, já conta com mais de uma centena de inscrições, boa parte resultado de investimentos do ministério por meio de editais do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep), entidades vinculadas à pasta. A ideia é que os dados sejam usados em um edital futuro de tecnologias assistivas.

“Com o cadastro da tecnologia assistiva, a gente consegue ver o resultado do que foi investido nos últimos anos pelo ministério no apoio à pesquisa e desenvolvimento. A gente percebe que muitas tecnologias, que hoje são produtos, são resultado do apoio do MCTIC em editais anteriores da Finep, do CNPq. Nós queremos agora verificar a fase de maturidade das soluções, se estão em fase de transferência de tecnologia, produção”, descreve.

Resíduos Sólidos

Já o cadastro na área de Tratamento de Rejeitos e Reuso de Resíduos Sólidos também conta com mais de 100 inscrições. Segundo o coordenador-geral de Tecnologias para Programas de Desenvolvimento Sustentável e Sociais, Flávio Fonte-Boa, há uma diversidade de tecnologias que podem ser aplicadas em políticas dos Ministérios do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Regional. As soluções podem ser usadas tanto para retornar resíduos à cadeia produtiva quanto para o tratamento de rejeitos e devolução desses à natureza.

“O cadastro vai ser uma organização de informações para subsidiar políticas públicas do MCTIC e outros órgãos da esfera federal, estadual ou municipal. Dentro da Política Nacional de Resíduos Sólidos, é importante para os municípios ter acesso a esses dados. Os resíduos sólidos, mais de 90%, podem retornar para a cadeia produtiva como produtos, insumos energéticos ou aditivos agrícolas. Ao invés de você ter um lixão, você pode ter uma geradora de energia ou diminuir o uso de defensivos com o uso de solo enriquecido”, afirma.

Acesse o cadastro de soluções voltadas à Tecnologia Assistiva aqui: https://formulariocadastro.typeform.com/to/ACTFGY

Acesse o cadastro de soluções voltadas ao Tratamento de Rejeitos e Reuso de Resíduos Sólidos aqui: https://formulariocadastro.typeform.com/to/PYmHdF

Voltar ao topo