Seminário avalia projetos desenvolvidos em biomas brasileiros

Evento em Brasília apresenta andamento de 30 projetos que propõem soluções para uso sustentável da Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal
por ASCOM - publicado 11/11/2019 14h55. Última modificação 12/11/2019 20h35.

Marcelo Gondim/CNPq

Marcelo Gondim/CNPq

Seminário avalia projetos desenvolvidos em biomas brasileiros

Pesquisadores de todo o país avaliam, de hoje (11) até quarta-feira, o andamento de 30 projetos que estão sendo desenvolvidos em cinco biomas brasileiros por meio do Programa Nexus, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), que financia estudos de soluções sustentáveis em segurança hídrica, energética e alimentar. As apresentações ocorrem durante o 2º Seminário de Acompanhamento e Avaliação das chamadas Nexus – Biomas Brasileiros, no auditório do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em Brasília.

Os 30 projetos começaram a ser executados em 2018 e devem ser concluídos em 2021. O objetivo do seminário é fazer uma avaliação parcial do programa e permitir a troca de experiência entre os pesquisadores participantes. Os projetos estão espalhados por 12 estados brasileiros e abrangem cinco biomas: Caatinga (10), Mata Atlântica (7), Pampa (7), Cerrado (5) e Pantanal (1).

Na abertura do evento, o diretor de Programas de Desenvolvimento Científico da Secretaria de Políticas para Formação e Ações Estratégicas (Sefae), do MCTIC, Fabio Larotonda, afirmou que o programa Nexus propõe soluções para o futuro. “A busca por segurança hídrica, energética e alimentar tem grande importância e está alinhada aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU)”.

O diretor da Sefae destacou que dois dos projetos em execução - a Rota dos Butiazais, do bioma Pampa; e o Ecolume, da Caatinga – foram expostos durante a 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, realizada no mês passado em Brasília. “Todos os que visitaram o estande ficaram muito impressionados com os resultados desses projetos e já existe a possibilidade de utilizá-los como modelo a ser aplicado em outras partes do país.”


Divulgação Científica

O coordenador de Programas e Projetos em Bioeconomia do MCTIC, Daniel Chang, ressaltou que um dos destaques da programação do seminário será a realização de uma oficina de divulgação científica, na quarta-feira (13). O objetivo é oferecer aos participantes ferramentas para ajudar a tornar os projetos conhecidos pela sociedade. “Dar voz à ciência é um grande desafio. Temos que assumir esse compromisso de fazer o resultado do nosso trabalho chegar a um público mais amplo.”

O seminário também permitirá a troca de experiências entre os pesquisadores participantes. “Vamos fazer um networking e possibilitar um aprendizado conjunto. O evento vai permitir uma avaliação sobre o andamento dos projetos e identificar eventuais problemas, desafios e correções de rota”, reforça Daniel Chang.

A chamada Nexus foi lançada pelo MCTIC em 2017 e tem o CNPq como agência executora. Ao todo, foram duas chamadas publicas, totalizando R$ 12 milhões. Os projetos selecionados contam com recursos que variam entre R$ 300 mil e R$ 500 mil, com execução em até 36 meses. O Programa Nexus tem como objetivo apoiar projetos de pesquisa que contribuam para o desenvolvimento de soluções sustentáveis para garantir a segurança hídrica, energética e alimentar nos biomas brasileiros.

--

 

Voltar ao topo