100 DIAS: 100% pelo Brasil

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações também participa desta iniciativa e elaborou dois programas que iniciam durante os primeiros 100 dias de governo: o Programa Ciência nas Escolas e o Centro de Testes de Tecnologias de Dessalinização.
por ASCOM - publicado 10/04/2019 14h52. Última modificação 11/04/2019 12h32.

null

null

Conheça os projetos dos 100 Dias

O Programa Ciência na Escola (PCE) é uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTIC) e Ministério da Educação (MEC) com o objetivo de aprimorar o ensino de ciências nas escolas de educação básica, além de:

  • Promover o ensino por investigação voltado à solução de problemas;
  • Intensificar a qualificação de professores da educação básica para o ensino de ciências;
  • Estimular o interesse dos alunos da educação básica pelas carreiras científicas,
  • Identificar jovens talentos para as ciências;
  • A implementação de soluções inovadoras que contribuam para aprimorar o ensino e o aprendizado de ciências;
  • Incentivar o uso de novas tecnologias educacionais e novos métodos de ensino de ciências;
  • Fortalecer a interação entre escolas de educação básica, instituições de ensino superior, espaços de ciência e outras instituições de ciência, tecnologia e inovação;
  • E democratizar o conhecimento e popularizar a ciência.

 

O Programa Ciência na Escola iniciará suas atividades em abril de 2019 com quatro ações simultâneas:

I)             Chamada Pública para seleção de propostas voltadas à promoção da educação científica apresentadas por redes colaborativas de instituições de ensino e pesquisa. O Ministério da Educação (MEC) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTIC) conduzirão o processo de seleção das propostas com apoiar projetos selecionados que executarão suas atividades no período de 2019 a 2021;

II)            Chamada Pública para seleção de pesquisadores que promoverão estudos voltados para pesquisa, intervenção e avaliação em questões relacionadas ao ensino de Ciências nas escolas. O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) selecionará as propostas e os pesquisadores selecionados que executarão suas atividades no período de 2019 a 2021;

III)           Realização da Olimpíada Nacional de Ciências (ONC) coordenada pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Na edição 2019, pretende-se atingir 1 milhão de alunos participantes (5 vezes mais que em 2018); e

IV)          Curso de Especialização a distância em Ensino de Ciências — “Ciência é Dez! ”. A ação é de responsabilidade da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e serão formados mais de 2000 professores especialistas.

 

O Programa Ciência na Escola, — compromisso no aprimoramento do ensino de ciências na educação básica firmado pelo MCTIC, MEC, CNPq e Capes, — será gerenciado, monitorado e avaliado, com resultados e impactos disponibilizados em Portal construído pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP).

 

Centro de Testes de Tecnologias de Dessalinização

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) divulgou a portaria que regulamenta o funcionamento do Programa de Apresentação de Unidades de Dessalinização e Purificação de Águas Salobras e Salinas para Teste e Análise de Desempenho.


O programa testará e apresentará tecnologias para a remoção do sal de águas salobras e não aptas para o consumo humano ou utilização na agricultura.


Assinada pelo ministro Marcos Pontes, a portaria é o início de um processo inédito na construção de políticas públicas participativa neste sentido. Durante o mês de fevereiro o site do MCTIC divulgou um canal online exclusivo para receber propostas, ideais e projetos em qualquer estágio de desenvolvimento.


Após receber as propostas, a ideia é testá-las, aprimorá-las e torná-las disponíveis para aplicação em escala, considerando as vocações regionais do país e também as demandas prioritárias dos locais que enfrentam a seca ou escassez de água potável.

“Está se buscando soluções tecnológicas de dessalinização e purificação de águas salobras e salinas para que as populações do Semiárido Brasileiro possam conviver com as severas condições de vida impostas pela seca na região. ” – Diz um dos trechos da portaria.

Instituto Nacional do Semiárido (INSA), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, é a unidade vinculada ao MCTIC que coordena este projeto e será responsável pelos testes e análises de desempenho e também cuida da implantação do Centro de Testes de Tecnologias de Dessalinização (CTTD) que terá por objetivo testar, analisar e avaliar o desempenho de sistemas comercializáveis de dessalinização/purificação de águas salobras/salinas, visando a prestar suporte na dimensão tecnológica, com ações e processos correlacionados à expansão do acesso à água potável, dessalinizada e purificada, com foco no Semiárido Brasileiro.


A iniciativa do MCTIC avaliou também as inúmeras informações esparsas provindas de diversas fontes sobre tecnologias e métodos para dessalinização de água, considerando que abrir um canal direto para receber propostas para construir um banco de dados confiável, disponível e técnico sobre o assunto, servindo para identificar o maior número de soluções tecnológicas disponíveis, inclusive de outros países como Israel, Coreia do Sul e outros.


Uma comitiva de técnicos, pesquisadores e o próprio ministro visitaram Israel para conhecer as tecnologias utilizadas por eles para atenderem a demanda de água potável.

O CTTD utilizará as infraestruturas laboratoriais do INSA e da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) por intermédio do Laboratório de Referência em Dessalinização (LABDES).


O Programa de dessalinização está dentro de ações governamentais dos primeiros 100 dias do Governo Federal.

 

Segundo o Diretor do INSA, Salomão de Sousa Medeiros, “a implantação do CTTD é um desafio para o INSA, e nós enquanto Instituição de Pesquisa do MCTIC nos sentimos profundamente honrados em participar de uma das principais ações dos primeiros 100 dias do Governo. A gente avalia que a dessalinização de água no Semiárido vem como uma forma de contribuir com a segurança hídrica da região e, em especial, das populações rurais difusas sem acesso a água potável. A dessalinização de água mudará para melhor a vida dessas pessoas. ”

Voltar ao topo