Em ato simbólico, ministro transmite cargo ao astronauta Marcos Pontes

Em discurso, Gilberto Kassab citou o Sirius e o satélite geoestacionário como parte do legado de sua gestão no MCTIC.
por ASCOM - publicado 28/12/2018 22h09. Última modificação 22/05/2019 09h05.
Em ato simbólico, ministro transmite cargo ao astronauta Marcos Pontes

Cerimônia aconteceu nesta sexta-feira (28), no Auditório Renato Archer. Foto: Ascom/MCTIC

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, transmitiu de forma simbólica o cargo para o astronauta Marcos Pontes nesta sexta-feira (28). No ato, Kassab destacou avanços conquistados durante sua gestão, entre eles, a inauguração da fonte de luz síncrotron Sirius, a entrada em operação do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), a reestruturação do orçamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a recuperação financeira dos Correios.

“É muito gratificante na vida pública quando você, ao final de uma gestão, pode observar que muito foi feito. Apesar da conjuntura política difícil, da conjuntura econômica difícil, deixamos para o campo da ciência, pesquisa, inovação e comunicações uma série de avanços. Temos um grande ministério, com importância muito grande para o país”, afirmou Kassab.

Marcos Pontes, por sua vez, relatou a emoção em poder chegar ao posto de ministro com a missão, a partir da próxima semana, de fazer da ciência, tecnologia e inovação uma ferramenta para o alcance de três metas: produção de conhecimento, geração de riqueza e promoção da qualidade de vida da população.

“Essa é uma missão que temos pelo país. Temos uma boa estrutura e uma boa equipe para cumprirmos essa missão. A ciência e tecnologia é a ponta de lança para o desenvolvimento de qualquer país, e o MCTIC é estratégico. Queremos ser uma ferramenta de desenvolvimento para que todos os setores possam terimpacto no dia a dia das pessoas e na nossa economia”, ressaltou.

Infraestrutura e retomada

O Sirius coloca o Brasil na fronteira do conhecimento ao abrir novas perspectivas em áreas como ciência dos materiais, nanotecnologia, biotecnologia, física e ciências ambientais, além de contribuir para a internacionalização da ciência brasileira por meio do aumento da presença de pesquisadores estrangeiros entre os usuários.

A fonte de luz síncrotron está instalada no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP) e é aberta à comunidade científica brasileira e estrangeira. O acelerador principal tem 520 metros de circunferência, com capacidade para comportar 40 linhas de luz (ou estações experimentais).

“O Sirius vai permitir que cientistas do Brasil e do mundo todo possam conduzir pesquisa de ponta. E eles só vão poder fazer aqui, porque esse equipamento é único no mundo”, destacou Kassab.

Já o SGDC é o primeiro equipamento geoestacionário de propriedade do governo brasileiro, fruto de uma parceria entre o MCTIC e o Ministério da Defesa. Adquirido pela Telebras, conta com uma banda Ka, utilizada para as comunicações estratégicas de governo e a ampliação do acesso à banda larga em todo o país, além de uma banda X, que corresponde a 30% da capacidade do equipamento, de uso exclusivo das Forças Armadas.

Em relação ao CNPq, Gilberto Kassab destacou a recuperação da capacidade de pagamento de bolsas a estudantes dos mais diversos níveis de graduação. “Isso envolve centenas de milhares de bolsistas que, nas últimas décadas, têm se formado no Brasil e precisam dessas bolsas para aperfeiçoar sua formação ou desenvolver seus projetos e pesquisas. Hoje, o CNPq é uma instituição totalmente saneada”, declarou.

Além disso, Kassab relatou o processo de recuperação financeira dos Correios. Segundo ele, a empresa pública, agora, tem saldo positivo de cerca de R$ 1,5 bilhão, após acumular anos consecutivos com déficit fiscais e de operação.

No campo da radiodifusão, Gilberto Kassab elencou o processo de digitalização do sinal de televisão no país e a migração das rádios AM para a faixa FM como fundamentais para a modernização do setor. “A TV digital já atinge 140 milhões de brasileiros, que têm acesso à melhor qualidade de som e imagem. E outros milhares foram beneficiados com a migração das rádios”, lembrou.

Apoio à pesquisa

Em conversa com jornalistas após a cerimônia, o astronauta Marcos Pontes defendeu o investimento contínuo em pesquisa básica. Esse tipo de atividade, na avaliação do futuro ministro, tem papel central no desenvolvimento de tecnologias disruptivas e inovação no futuro.

“Pesquisa básica é essencial, nunca pode ficar de lado. Porque a junção de conhecimentos pode gerar tecnologia e inovação”, afirmou.

Um dos projetos considerados prioritários para o próximo ano é a integração de iniciativas de dessalinização da água na região Nordeste para a produção agrícola. Para isso, serão analisadas as tecnologias desenvolvidas no Brasil e também equipamentos produzidos em Israel – referência mundial nesse tipo de tecnologia. Segundo Pontes, o objetivo é entender quais métodos podem ser aplicados no país com maior eficiência.

“A ideia é integrar esforços que têm sido feitos no Brasil de dessalinização de água de poços no Nordeste e de distribuir essa água de forma a promover a agricultura familiar. Queremos analisar o que tem sido feito, o que funciona, para que possamos integrar isso de forma eficiente. Faremos testes com equipamentos que deverão ser israelenses e nacionais. O que procuramos é mais eficiência em termos de resultados de qualidade do equipamento e de custo”, adiantou.

Voltar ao topo