Para ministro, governo deixará como legado a modernização do setor de radiodifusão

por ASCOM - publicado 05/09/2017 07h44. Última modificação 05/09/2017 16h37.
Para ministro, governo deixará como legado a modernização do setor de radiodifusão

Ministro Gilberto Kassab discursa durante mutirão de migração de rádios AM para FM em Fortaleza. Fonte: Ascom/MCTIC

Um total de 64 emissoras de rádio do Ceará vai migrar da faixa AM para FM, o que significa sinal de qualidade, mais audiência e faturamento maior. Além disso, essas rádios poderão ser sintonizadas em dispositivos móveis, como tablets e smartphones, garantindo a modernização do serviço. A migração das emissoras começou nesta segunda-feira (4) com o mutirão promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) em Fortaleza (CE) durante o Congresso de Radiodifusão – Fala Norte e Nordeste, da Associação Cearense de Emissoras de Rádio e Televisão (Acert). O ministro Gilberto Kassab participou do evento.

No discurso, ele celebrou o trabalho conjunto do governo com os radiodifusores, que permitiu a modernização de políticas públicas do setor e a construção de um legado. “O que é mais gratificante na vida pública é quando, após assumirmos responsabilidades, conseguimos construir um legado. Tivemos a felicidade de conseguir avançar bastante na desburocratização do setor com decretos, leis e medidas provisórias que nos permitem afirmar que, hoje, a vida do radiodifusor está bem mais fácil. Com menos documentação, mais agilidade e menor participação e interferência do poder público. No mundo da internet, quem não combate a burocracia, é porque não quer”, disse Kassab.

O ministro comemorou ainda o desligamento do sistema analógico de televisão Brasil afora, beneficiando, aproximadamente, 40 milhões de pessoas com a TV digital. “Tivemos a felicidade também de conseguir complementar, finalizando o trabalho de nossos antecessores, e implantar no Brasil o sistema digital de televisão, que tem sido um sucesso. Um case internacional.”

Kassab ressaltou ainda o desenvolvimento da tecnologia 5G e defendeu que os chips de celulares sejam ativados nos aparelhos.

Mutirão

Fortaleza sediou o décimo mutirão de assinaturas para migração de rádios AM para a faixa de FM. Em cada mutirão, são assinados os termos aditivos de adaptação das outorgas, um dos últimos passos do processo para a mudança. Depois disso, as rádios devem apresentar um projeto técnico de instalação da FM à Secretaria de Radiodifusão e solicitar à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a autorização de uso da radiofrequência. A partir da liberação, os veículos já podem começar a transmitir a programação na nova faixa.

Das 1.781 rádios AM do país, quase 1.500 solicitaram a migração. Nesta primeira etapa, cerca de 960 emissoras poderão operar na faixa atual de FM, de 88 Mega-hertz (MHz) a 108 MHz. As demais candidatas terão que esperar a conclusão do processo de digitalização da TV, responsável por liberar espaço para todas as rádios que desejem fazer a mudança.

Desde o ano passado, o MCTIC já promoveu mutirões de assinaturas em Santa Catarina, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, Paraná, São Paulo, Bahia e Paraíba, além de uma cerimônia conjunta em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. No total, mais de 560 emissoras já assinaram o contrato para a mudança de faixa.

Voltar ao topo