Estratégia Brasileira para Transformação Digital teve mais de 2 mil acessos durante consulta pública

Entre os que acessaram a plataforma, 707 fizeram comentários e sugestões, além de responderem a um conjunto de perguntas sobre as ações propostas para a digitalização da economia e da sociedade.
por ASCOM - publicado 28/09/2017 16h21. Última modificação 02/10/2017 16h51.
Estratégia Brasileira para Transformação Digital teve mais de 2 mil acessos durante consulta pública

Mais de 700 participantes da consulta pública deram contribuições sobre a EBTD. Fonte: Reprodução da internet

O documento-base da Estratégia Brasileira para a Transformação Digital (EBTD) recebeu mais de 2 mil acessos durante a consulta pública, encerrada em 20 de setembro. Entre os que acessaram a plataforma, 707 fizeram comentários e sugestões, além de responderem a um conjunto de perguntas sobre as ações propostas para a digitalização da economia e da sociedade.

O perfil dos participantes da consulta foi representativo e diversificado, incluindo representantes de governo (em nível federal, estadual e municipal, tanto do Poder Executivo quanto do Poder Legislativo); representantes do setor produtivo (individualmente como também por meio de associações); integrantes da comunidade acadêmica e científica; e cidadãos e associações da sociedade civil.

O objetivo da EBTD é criar um ambiente habilitador para impactos transformadores em agricultura, comércio, educação, finanças, indústria e serviços de transportes e logística, por meio da digitalização dos processos produtivos e da capacitação do país para as tecnologias digitais.

O documento foi construído por um grupo de trabalho interministerial coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) a partir de reuniões, workshops e seminários com a participação do setor produtivo, comunidade científica, academia e sociedade. Agora, será revisado para incluir as contribuições feitas na consulta pública. Em seguida, será analisado novamente pelo grupo de trabalho.  A expectativa da Secretaria de Política de Informática é que o trabalho seja concluído ainda em 2017.

 

Voltar ao topo