O que é?

Em paralelo com o lançamento da Consulta Pública, em dezembro de 2016, o MCTIC assinou acordo de cooperação com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para juntos conduzirem o estudo de Internet das Coisas que o BNDES havia recém-contratado por meio do Fundo de Estruturação de Projetos (FEP) nº 01/2016.

Esse estudo tem como objetivo a realização de diagnóstico detalhado e proposição de políticas públicas no tema Internet das Coisas e foi vencido pelo Consórcio formado pela Consultoria McKinsey, pela Fundação CPqD e pelo escritório Pereira Neto & Macedo Advogados.

O Estudo IoT iniciou-se em janeiro de 2017 e foi finalizado em outubro do mesmo ano com o lançamento do Plano de Ação, documento que contém as 60 iniciativas propostas pela equipe gestora do Estudo, formada pelo MCTIC, BNDES e Consórcio. O lançamento foi feito na Futurecom, em São Paulo, maior evento da indústria de TICs do país. Os resultados obtidos pelo estudo serviram de subsídio para a elaboração do Plano Nacional de IoT, que deverá ser lançado após a conclusão do estudo.

Detalhamento do Estudo IoT

Constituído de 4 fases, na fase 1 foi feito diagnóstico detalhado do ecossistema brasileiro de IoT, incluindo benchmark internacional e roadmap tecnológico, bem como definição da aspiração do país para a Internet das Coisas. Com a contribuição de diversos especialistas, o Comitê Gestor do estudo propôs e foi aprovada a seguinte Aspiração do Brasil em IoT:

“Acelerar a implantação da Internet das Coisas como instrumento de desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira, capaz de aumentar a competitividade da economia, fortalecer as cadeias produtivas nacionais, e promover a melhoria da qualidade de vida.”

Neste sentido, para alcançar essa aspiração, o país focará nesses três desafios, sendo dois deles do lado da demanda (competitividade e qualidade de vida) e um do lado da oferta (cadeias produtivas nacionais).

Na fase 2, encerrada em junho de 2017, o objetivo foi priorizar ambientes de utilização e casos de uso de soluções de IoT que tenham grande impacto no adensamento da cadeia produtiva, na competitividade dos setores econômicos do Brasil e na qualidade de vida dos cidadãos.

A partir da delimitação de dez ambientes, foi conduzido o processo de priorização em três grandes etapas, que levaram à matriz de priorização, observando simultaneamente o potencial de demanda, o potencial de oferta e a capacidade de desenvolvimento de cada um dos ambientes.

Com a aplicação de um framework desenhado para capturar as particularidades do contexto brasileiro de IoT, os ambientes priorizados foram aqueles que se destacaram em cada um dos macro atributos: o potencial de demanda de Cidades, o potencial de oferta para Saúde e a capacidade de desenvolvimento do Rural.

Além dos três ambientes citados, foi incluído também um quarto ambiente, de Indústrias, dada a relevância que esse segmento tem para o Brasil. Serão inclusos casos práticos de soluções de IoT tanto no ambiente de fábricas (com destaque para os setores automotivo e têxtil) como também no ambiente das indústrias de base (com destaque para os setores de petróleo&gás e mineração).

Em paralelo ao aprofundamento dos Ambientes, a próxima fase do estudo incluirá o aprofundamento dos principais desafios referentes às frentes horizontais de trabalho, que perpassam todos os ambientes. São elas:

  • Capital Humano;
  • Inovação e Inserção Internacional
  • Infraestrutura de Conectividade e Interoperabilidade;
  • Regulatório, Segurança e Privacidade de Dados;

Na fase 3, em cada um dos ambientes priorizados, o Estudo IoT irá:

  • Identificar desafios do ambiente e definir metas e objetivos;
  • Priorizar e detalhar casos de uso;
  • Realizar análise de focos tecnológicos por caso de uso priorizado;
  • Elaborar plano de ação.

Na quarta e última fase do Estudo IoT (fase 4), foram definidos o suporte à implementação do Plano Nacional de IoT, estabelecendo as diretrizes gerais e as propostas de ações concretas com metas alcançáveis que deverão ser buscadas desde o seu lançamento.

Objetivos das 4 Fases do Estudo IoT

Os objetivos de cada uma  das fases estão descritos abaixo:

Fase 1 (jan/17 - mar/17)  - Diagnóstico e Aspiração Brasil

  • Obter visão geral do impacto de IoT no Brasil
  • Entender competências de TIC do País
  • Aspirações iniciais para IoT no Brasil

Fase 2 (abr/17 - jun/17) - Seleção de verticais e horizontais

  • Definir critérios chaves para seleção
  • Priorizar verticais e horizontais

Fase 3 (jul/17 - set/17) - Investigação de verticais, elaboração da Visão e Plano

  • Aprofundar-se nas verticais escolhidas
  • Elaborar Visão para IoT para cada vertical
  • Elaborar Plano de Ação 2018-22

Fase 4 (out/17 - fev/18) - Suporte à implantação do Plano de Ação

  • Detalhamento dos 3 projetos mobilizadores do Plano de Ação
  • Desenho de modelo  de governança para o PNIoT
  • Desenho da estrutura de monitoramento (PMO)

Publicações

Nome da Categoria | X registros
Voltar ao topo